IDEAC Instituto para o Desenvolvimento Educacional, Artístico e Científico


Deixe um comentário >

Recentemente o Jornal The New York Times publicou matéria sobre uma experiência interessante realizada na Holanda para pacientes com demência. O autor é Ilvy Njiokiktjien e o texto foi traduzido para nossas redes sociais pela psicóloga Maria Celia de Abreu, coordenadora do Ideac:

“Estamos perdidas”, disse Truus Ooms, 81, para sua amiga Annie Arendsen, 83, enquanto andavam juntas num ônibus urbano. “Sendo o motorista, você teria obrigação de saber onde é que estamos”, disse Ms. Arendsen para Rudi ten Brink, 63, que estava sentado no banco do motorista do ônibus.

Mas ela estava brincando.

Os três são pacientes demenciados em um estabelecimento ao leste da Holanda. O passeio de ônibus deles – uma rota pelas estradas planas e ladeadas de árvores da zona rural holandesa – era uma simulação que é projetada várias vezes por dia em três telas de vídeo.

É parte de uma abordagem não ortodoxa para tratamento de demência em que médicos e cuidadores holandeses têm sido pioneiros: aproveitamento do poder do relaxamento, de memórias de infância, auxílios sensoriais, música suave, estrutura familiar e outros instrumentos para curar, acalmar e estimular os residentes, em vez de confiar nas velhas receitas de repouso na cama, medicação e, em alguns casos, contenção física.

“Quanto mais se reduz o stress, melhor”, disse Dr. Erik Scherder, um neuropsicólogo da Vrije Universiteit Amstendam e um dos mais conhecidos especialistas em cuidados com demência.  “Se você baixar o stress e o desconforto, isso tem um efeito fisiológico direto”.

A simulação de passeios de ônibus ou em praias – como uma que existe num estabelecimento em Haarlem, não distante de uma praia real – criam um ponto de encontro para pacientes. A experiência compartilhada leva-os a falar sobre passeios anteriores e tirar um mini fim de semana em suas vidas diárias.

A demência, um grupo de síndromes relacionadas entre si, manifesta-se num declínio rápido das funções cerebrais. Rouba das famílias seus entes queridos e consome recursos, paciência e finanças.

Cerca de 270 000 holandeses – aproximadamente 8,4 por cento dos 3.2 milhões de habitantes com mais de 64 anos de idade – tem demência, e o governo prevê que esse número vai dobrar nos próximos 25 anos.

Em anos recentes, o governo tem preferido pagar “home care” do que manter um estabelecimento licenciado, de modo que a maioria das pessoas com demência vive em casa. Os estabelecimentos, que são administrados por particulares, mas contam com fundos públicos, são em geral reservados para pessoas em estado avançado da doença.

Nos anos 90, os holandeses começaram a pensar de modo diferente sobre como tratar a doença, afastando-se de uma abordagem medicamentosa. “Nos anos 80, os clientes eram tratados como pacientes em um hospital”, disse Ilse Achterberg, uma antes terapeuta ocupacional, que foi uma das pioneiras das salas “sensoriais” (“snoezel”), que combinam terapia por luz, aroma, massagem e som, e permitem que os pacientes relaxem e acessem emoções que são frequentemente bloqueadas em ambientes clínicos estressantes. Estas salas foram as precursoras de algumas das técnicas encontradas hoje em muitos estabelecimentos da Holanda.

Técnicas inovadoras

No lar Amstelring Leo Polak em Amsterdan, por exemplo, há a reprodução de um ponto de ônibus, onde Jan Post, um paciente de 98 anos de idade, muitas vezes se senta e beija sua esposa, Catahrina Post, quando ela o visita.

Mr. Post, que tem uma demência severa, só consegue criar 10 segundos de memória de curto prazo e tem medo de não encontrar o caminho de volta ao seu quarto quando sai dele.

“Setenta anos casados e ainda nos amamos”, disse Ms. Post, 92, que faz visitas várias vezes por semana. Recentemente, os Posts estavam bebendo e papeando no Bolle Jan, uma recriação de um restaurante real de Amsterdã, feita numa área de convivência do lar. Se os entornos eram falsos, o álcool era de verdade, e as piadas, frequentemente repetidas, provocavam gargalhadas verdadeiras. A cantoria, por vezes cambaleante, era entusiástica.

Enquanto cuidadores e acadêmicos acreditam que tais ambientes ajudam os pacientes demenciados a lidar melhor com a vida, é difícil chegar a uma evidência sólida de sua eficácia a longo termo, em parte porque essa condição é incurável.

Mas Katja Ebbbem, que trabalha com cuidados intensivos em Vitalis Peppelrode, um estabelecimento em Eindhovem, no sudeste do país, disse que ela notou que com as novas técnicas os pacientes precisavam de menos medicação e menos contenções físicas.

Willy Briggen, 89, que está em avançado estágio de demência, vive no estabelecimento de Eindhove. Como muitos demenciados, Ms Briggen algumas vezes fica impaciente, até mesmo descontrolada. Os surtos exigem um esforço da equipe da casa, que luta para lidar com sua frágil estrutura. Há uma década, teriam lhe prescritos drogas ou contenção para lidar com os rompantes.

Mas quando ela fica inquieta, a equipe liga um projetor no quarto dela, que produz imagens calmantes e sons suaves. Numa visita recente, Ms. Briggen foi de um estado emocional de óbvio desconforto para um de calma reflexiva, enquanto ela olhava para o teto de seu quarto particular, que estava enfeitado com a projeção de cenas da natureza, inclusive de patos.

Dos 210 residentes no estabelecimento Eindhovem, 90 têm demência e estão restritos a andares especiais para sua própria segurança. O prédio de tijolo aparente e vidros tem assoalhos de linóleo, tetos baixos e portas largas para permitir a passagem de camas sobre rodas. A despeito do estilo médico, sua decoração tem ecos de uma era passada, quando Ms Briggen teria sido uma menina.

Os andares exibem móveis antiquados, de madeira escura, e os cômodos são decorados com livros, telefones de discar e máquinas de escrever de 50 libras. As mesas da lanchonete são cobertas por toalhas de tecido e flores frescas. Eles não têm o odor de um hospital.

Ao repensar em como lidar com pacientes com demência, muitos centros focalizaram nos ambientes. Outra tática é reorganizar os residentes para criar agrupamentos de “família” de seis a dez pessoas.

Os residentes de muitos dos estabelecimentos holandeses têm seus próprios quartos, e são encorajados a considera-los seu território próprio. Com frequência há uma sala de uso comum e uma cozinha, onde residentes ajudam em tarefas como descascar batatas e lavar salada.

Na luta contra depressão e passividade, que são frequentemente sintomas da condição, os cuidadores também procuram estimular os residentes com atividades como dança.

Cuidados especiais

“É na verdade em relação a todas as pequenas coisas que compõem uma vida normal”, disse Pamela Grootjans, uma enfermeira de Sensire Den Ooman, o estabelecimento em Doetinchem que oferece o passeio de ônibus simulado.

Na moradia com cuidados especiais Christian Beth-San em Moerkapelle, próxima ao The Hague, Arie Pieter Hofman, 87, e Neeltje Hofman-Heij, 88, usam uma bicicleta simulada conectada a um  tambor posto em rotação quando pedalam para percorrer cenas de sua antiga vizinhança em Gouda, projetadas em uma tela plana.

A companhia que faz o passeio de bicicleta, Bike Labyrinth, vendeu o simulador a mais de 500 estabelecimentos na Holanda. O fabricante holandês dos projetores, Qwiek, diz que há unidades em 750 estabelecimentos holandeses.

“A ideia é desafiar um pouquinho o paciente, de um modo positivo,” diz Dr. Scherder, o neuro-psicólogo de Amsterdã. “Deixá-los numa cadeira, passivos, torna a progressão da doença muito mais rápida. “

Numa recente visita ao centro de cuidados Vreugdehof em Amsterdã, uma residente, Anna Leeman-Koning, 90, brincava com uma foca terapêutica robótica. Ela ajuda a trazer à tona velhas emoções, momentaneamente afastando a desorientação causada pela perda irreversível e progressiva das faculdades do paciente.

Mas a foca começou a sacudir demais sua cauda robótica, preocupando Ms Leeman-Koning. “Por favor se acalme, por favor se acalme,” ela disse. “O que posso fazer para acalmar você?”

Leia o artigo na íntegra em Inglês:

https://www.nytimes.com/2018/08/22/world/europe/dementia-care-treatment-symptoms-signs.html?utm_source=meio&utm_medium=email

Anúncios


Deixe um comentário >

“É no corpo que as marcas da velhice aparecem com mais evidência…”

(Maria Celia de Abreu – Velhice uma nova paisagem)

Os pés de uma pessoa de 70 anos já fizeram o percurso equivalente a 3 vezes a volta ao mundo. Pois bem, a expectativa de vida está aumentando e muitos idosos poderão viver até os 100 anos. Olhar com carinho e cuidar dos pés fará uma grande diferença na qualidade do processo do envelhecimento. Doenças tais como artrite, artrose, osteoporose, diabetes, cardiopatias, neuropatias, doenças vasculares periféricas e reumatismo podem ser provocadas por alterações e lesões significativas nas pernas e pés.

Já pensaram sobre isso? Muitas vezes nos preocupamos tanto com o rosto, os braços, as pernas e esquecemos dos nossos pés. Com o envelhecer, os pés também precisam de cuidados especiais para garantir uma base segura. Aldeci Oliveira é uma podóloga especializada no tratamento de pessoas idosas e atende com a paciência de quem sabe a importância de cuidar com carinho e atenção dos seus clientes. Ela já atuou muitos anos em clínicas de podologia e clínica médica, mas atualmente atende em domicílio e em casas de repouso, fazendo trabalho voluntário e também profissional.

O diferencial de Aldeci começa quando ela faz a ficha de anamnese do cliente, para conhecer melhor seu estado de saúde, suas necessidades e limitações, utilizando as informações como parâmetro para buscar o tratamento adequado.

Formada em Podologia pelo Senac há 14 anos, Aldeci nesse tempo percebeu a carência de profissionais voltados para a demanda do crescimento de idosos que necessitam de cuidados mais específicos, bem como a falta de divulgação da importância dos cuidados paliativos. “Existe também a carência do trabalho multidisciplinar e a participação da família em como lidar com os cuidados adequados demandados pelo estado de saúde do idoso. É muito importante o acompanhamento podológico nas casas assistidas para idosos, nas casas de repouso de curta permanência e em casa também”, alerta.

 

Problemas e cuidados

Manter os pés limpos tem grande importância para a prevenção de infecção, especialmente nos casos de diabetes e neuropatias. As unhas sofrem com problemas de micoses, traumas, grossas, secas, finas, quebradiças, onduladas, escuras. Nos dedos podem aparecer inchaços, frieiras, calos, rigidez e mudança nos tons da pele. Os pés podem ficar frios, rígidos, secos, escamosos, inchados, avermelhados, com rachaduras no calcanhar, com calos, calosidades, feridas, e até mau cheiro.

Dicas

Aldeci ensina que ao acordar, antes de se levantar, é muito bom fazer movimentos suaves de flexão, extensão, rotação interna e externas dos pés. Em seguida flexionar e estender as pernas. “Com o auxílio dos dedos indicador e polegar das mãos pressione os dedos dos pés, a começar pelo halux (dedão) até o dedo mínimo. E preste atenção no que está fazendo, faça tudo com bastante emoção”.

Outra dica é usar um espelho para verificar se não há presença de fissuras entre os dedos, rachaduras nos calcanhares, presença de calos, calosidades e como está a coloração dos pés. “Sinta a temperatura, se há formigamento, queimação e perda da sensibilidade. Verifique também se há a presença de úlceras de pressão e feridas”, alerta,

Cuidados preventivos

No caso de diminuição da sensibilidade na região dos pés ela diz que a pessoa não deve usar água em alta temperatura, o indicado é a água morna para não provocar lesões.  “Evite queimaduras e alta exposição ao sol. Após tomar banho, use de papel toalha para secar entre os dedos e remover células mortas. Aplique o papel toalha fazendo movimentos circulares e suaves para não provocar ferimentos na pele. pós secar bem os pés aplique em seguida o creme hidratante. Evite passar creme entre os dedos para que não fique úmido e provoque atritos ocasionando fissuras”, recomenda.

Aldeci também indica sempre o uso de meias de algodão, sem costura e que não prenda a circulação, principalmente no caso de pessoas acometidas por diabetes. O melhor horário para se comprar calçados é no final da tarde ou no começo da noite, pois os pés e os dedos ficam mais inchados: “Antes de calçar os sapatos verifique se não há a presença de objetos estranhos no seu interior. E preste atenção no corte correto das unhas. A unha do idoso costuma ser grossa. Use alicate de corte de unhas. Faça o corte em linha reta e finalize com uma lixa arredondando sutilmente os cantos, respeitando o formato das unhas”.

Podologia

É a especialidade que estuda os pés, um dos ramos das ciências da saúde que tem por objetivo a prevenção, investigação e tratamentos dos pés. O início da podologia no mundo gira em torno de cinco milhões de anos. Em 54 depois de cristo surge o primeiro calista, Cayus, que era o soldado do imperador Nero e calista oficial de sua esposa. O início da podologia do Brasil data de 1890, localizada na rua São Bento em São Paulo. Na década de 30 chega ao Brasil o Dr. School, organização americana localizada na rua do Arouche.

Em 1990 o Senac Centro de educação e saúde em São Paulo passou a ministrar o curso de técnico em podologia. O tempo de formação é de 18 meses. O mercado de atuação são clínicas de podologia, hospitais, casas de repouso, clubes, hotéis, Spas e residências.

Sobre Aldeci

Ela nasceu em Campina Grande, na Paraíba, filha de casal de nordestinos que resolveu vir para São Paulo com os quatro filhos em busca de melhores oportunidades. Quando chegou Aldeci tinha 11 meses e aqui nasceu sua irmã caçula.

Lembra que mãe tocava modinhas com saudades da família, muito sentimento. Com 11 anos ela e o irmão mais velho iam para a feira vender calçado em uma banca de um casal de portugueses nas férias da escola. Depois, adolescente, foi trabalhar como recepcionista em uma clínica de Odontologia ao lado de sua casa e adorava ajudar nos instrumentos.

A vida profissional incluiu, ainda, trabalho em companhias de seguros, até que ela e o marido abriram uma produtora de fotos e vídeos, que durou até o final do casamento, por volta de 2002. Ela e a filha recomeçaram uma nova fase. Um de seus primeiros projetos foi realizar o sonho de correr na São Silvestre. Conseguiu fazer o curso de Podologia e percebeu que era o que realmente queria fazer como profissão. A paixão por tratar de idosos estava presente e foi reforçada quando fez o curso “Velhice, uma nova paisagem”, com a psicóloga Maria Celia de Abreu, no Ideac.

Seu contato: (11) 953818237


Deixe um comentário >

Por Eoghan Macguire, CNN – 24/agosto/2018

(Tradução da psicóloga Maria Celia de Abreu )

 

(CNN) – Qual é o segredo de viver até os 100? Alguns dizem que é garantir muito exercício; outros apontam para os benefícios de um clima ameno. Há até alguns que sugerem que uma vida sexual sadia tem muito a ver com isso.

O número de pessoas que vivem até os 100 anos pode ser relativamente pequeno, mas está se tornando mais comum – particularmente em países como o Japão, que tem a mais alta proporção de centenários no mundo.

Dados do Ministério da Saúde do Japão estimam que em 2017 havia 67.824 japoneses com 100 anos ou mais. Em 1965, quando o país começou a registrar estatísticas de cidadãos velhos, havia apenas 153 centenários.

Em resultado, os políticos no Japão começaram a considerar como prover para aqueles que chegavam ao clube dos 100 – e o que encontraram pode ser [útil para o resto do mundo nos próximos anos.

No ano passado, o Primeiro Ministro japonês Shinzo Abe conduziu uma série de encontros no Conselho para Planejar a Vida com Mais de 100 anos em Sociedade, um grupo de especialistas formado para preparar um aumento no número de centenários.

A comissão analisou questões tão diversas como reformar as políticas de seguro social, reavaliar o que significa ser mais velho e a diversificação de práticas corporativas de empregabilidade. Mas não é só para mais centenários que o país está tendo que se preparar.

Desafios de uma população que envelhece

Vinte e sete por cento da população do Japão tem 65 anos ou mais, de acordo com dados do Banco Mundial. Em 1990, era apenas 11%.

Enquanto viver mais é geralmente algo positivo, isso cria inevitavelmente uma porção de desafios práticos, tais como o fardo sobre o Estado para prover serviços, pensões e cuidados para um número crescente de velhos. No Japão, isto vem junto com um baixo índice de nascimentos, o que significa que há menos pessoas com idade de trabalhar para pagar pelos serviços para os velhos através de impostos ou de trabalho para companhias japonesas.

O número de recém-nascidos caiu durante 37 anos consecutivos no Japão, e o Ministério da Saúde faz uma projeção de que a população irá ascender de seus atuais 126.26 milhões para 86.74 milhões por volta de 2060.

Uma vida ‘multi-estágios’

Entre os que estiveram nos primeiros encontros do conselho de Abe, estava Lynda Gratton, professora de prática de negócios na London Business School e coautora do livro “Os 100 Anos de Vida: Viver e Trabalhar numa Idade Longeva”.

Quando considerando esta questão de populações que envelhecem, ela diz, é importante que os governos e empresas “contem uma história” sobre como as pessoas podem começar a viver “vidas multi-estágios” onde elas conseguem fazer pausas na carreira e trabalhar por mais tempo e em numerosas áreas. Esta “narrativa” ajudará a assinalar os desafios que virão e a encorajar a conversação sobre como será a vida em sociedades que envelhecem, acrescenta Gratton.

O governo japonês propôs estender a idade para aposentadoria obrigatória de 60 para 65 anos. Também mencionou encorajar uma “educação recorrente”, ajudando pessoas a serem retreinadas ao longo de suas carreiras profissionais, assim como permitindo que aquelas que quiserem trabalhar em idades avançadas o façam.

O Professor Hiroko Akiyama, do Instituto de Gerontologia a Universidade de Tóquio, acredita que estas são novidades benvindas, mas diz que o ritmo da mudança necessita ser mais rápido. “Nossa força de trabalho está encolhendo, então temos que tomar medidas drásticas agora,” disse ele.

Akiyama chama a atenção para como o escritório compartilhado, padrões de trabalho flexíveis e a telecomunicação podem todos desempenhar um papel e ajudar mais pessoas a ficarem por mais tempo em suas carreiras. As descobertas da inteligência artificial e da robótica, longe de reduzir oportunidades de emprego, também podem ajudar os mais velhos a trabalhar por mais tempo, compensando qualidades que as pessoas podem perder ao envelhecer, como por exemplo forca ou flexibilidade, ela acrescenta.

Além do mundo do trabalho, os sistemas de cuidados com a saúde serão provavelmente afetados por populações que envelhecem e forçados a se adaptar a isso. Política e valores também poderiam estar começando a se modificar, com os mais velhos sendo em geral considerados eleitores mais conservadores.

Lidando com um mundo que envelhece

O Japão tem sido uma das nações que mais visivelmente considera estes desafios, mas está longe de estar sozinho no ser afetado por eles.

A população global de pessoas mais velhas (aquelas com 60 anos ou mais) importava em 962 milhões em 2017, de acordo com o relatório das Nacões Unidas sobre o Envelhecimento Populacional (UN World Population Ageing). Isso é mais que o dobro do que em 1980, quando havia 382 milhões de pessoas mais velhas no mundo, e espera-se que o número dobre de novo por volta de 2050, alcançando cerca de 2.1 bilhões.

O envelhecimento das populações é mais pronunciado na Europa e na América do Norte, segundo o relatório. O Escritório de Censo dos Estados Unidos (US Census Bureau) projeta que o número de centenários lá irá inflar de 86,248 em 2017 para 600,000 por volta de 2060. Até o momento estas questões também estão pesando nas considerações de Hong Kong, Coréia do Sul, Singapura, Austrália e Nova Zelândia.

Lá por 2050, espera-se que as pessoas mais velhas componham 35% de populações na Europa, 28% na América do Norte, 25% na América Latina e Caribe, 24% na Ásia, 23% na Oceania e 9% na África, segundo estimativa do relatório das Nações Unidas.

Gratton aponta desenvolvimentos positivos na Dinamarca, que tem procurado por cenários para futuro cuidados com os mais velhos, e Singapura, que ela diz que tem revisto suas políticas e removido quaisquer sugestões de que pessoas mais velhas podem ser menos capazes de desempenhar certas tarefas ou papéis do que pessoas mais jovens.

Akiyama, enquanto isso, diz que o Japão tem sido forçado a considerar a questão antes do que a maioria das nações devido ao ritmo em que sua população está envelhecendo. Os políticos do país também parecem menos ávidos do que outros para atrair jovens trabalhadores estrangeiros.

Idade de oportunidade?

Hoje em dia também pode haver oportunidade dentro dos desafios de uma sociedade que envelhece.

Os negócios no Japão começaram a abrir academias de fitness que atendem aos mais velhos, enquanto cuidadores robôs têm sido introduzidos em moradias para idosos, aparelhos caros que podem se tornar lucrativos itens de exportação.

Gratton diz que o Japão está à frente de robôs e máquinas que assistem os mais velhos enquanto “os que tem mais de 55 estão gastando mais do que qualquer um” no país.

Entretanto, ela acrescenta que os países precisam também começar a planejar globalmente para um futuro no qual a vida tradicional em três setores, estudar, trabalhar e se aposentar, não se aplica mais.

As pessoas tornaram-se muito mais proativas”, ela diz. Tanto quanto planejar, economizar e manter-se saudável, ela precisa ser mais esperta sobre como será o futuro.”

Em vez de pensar sobre ficar ainda mais velhas, as pessoas deveriam pensar sobre ficar mais jovens por mais tempo.

Link do artigo em inglês: https://www.cnn.com/2018/08/24/health/japan-100-year-life/index.html

 


Deixe um comentário >

Através da última pesquisa divulgada em 2017 pelo Ministério da Saúde, ficamos sabendo que cerca de 30 pessoas tiram a própria vida no Brasil todos os dias. O suicídio é a quarta causa de morte entre jovens, mas entre os idosos os números também são preocupantes. A taxa de suicídio é maior em idosos com mais de 70 anos. Nessa faixa etária, foram registradas em média 8,9 suicídios por 100 mil pessoas nos últimos seis anos. A média nacional é 5,5 suicídios por 100 mil pessoas. Os números também são preocupantes em outros países. Em Quebec, no Canadá, num simpósio sobre o suicídio de idosos realizado pela Associação de Aposentados de Instituições Públicas e Paraestatais (AQRP) foi revelada uma triste realidade: de acordo com dados do Instituto Nacional de Saúde Pública (INSPQ), o grupo etário com 65 anos e mais é o segundo que apresenta maior índice de suicídios entre os idosos. Em 2008, 137 pessoas com 65 anos de idade morreram por suicídio no Quebec. Entre as razões para essa alta incidência de suicídios entre os idosos, estão a solidão, o perceber-se socialmente inútil, a depressão, o abandono, o surgimento de uma doença sem perspectiva de cura ou apontando para uma prolongada e crescente dependência, a penúria financeira etc.

Em uma organização social que professe valores humanistas, em detrimento da competição e do lucro sem limites, que reconheça o valor do velho, e que o ampare, respeite seus direitos e se recuse a aceitar preconceitos contra o idoso, esse índice será, sem dúvida, sensivelmente rebaixado.


Deixe um comentário >

A Doença de Alzheimer atinge mais de 46 milhões de pessoas no mundo. No Brasil, mais de um milhão, e com o crescente aumento da expectativa de vida, a tendência é que esse número dobrará a cada 20 anos. Esses números assustadores tornam-se mais sérios quando se pensa em moradores da periferia e todas as dificuldades para marcar consulta e conseguir tratamentos. O longa-metragem Alzheimer na Periferia, um projeto que nasceu com o propósito de desmistificar a evolução e o tratamento da doença de Alzheimer, principalmente em famílias que vivem em condição de vulnerabilidade social, terá pré-estreia para convidados na terça-feira, 4 de setembro, e posteriormente será exibido para o público.

O filme mostra cinco núcleos familiares que residem em bairros carentes, localizados nas extremidades da cidade de São Paulo. Ao longo dos 100 minutos, histórias de vidas totalmente diferentes se fundem a um turbilhão de emoções envolvendo pessoas que não perdem a esperança e lutam para promover qualidade de vida às pessoas acometidas dessa grave doença neurodegenerativa crônica. É o relato do dia a dia de cuidadores que se isolam da sociedade e abrem mão da própria vida para garantir o mínimo de conforto e segurança para as pessoas que amam e que tiveram suas lembranças quase que completamente apagadas. Tarefas simples como ir ao banheiro, tomar banho, escovar os dentes ou até mesmo guardar roupas, tornam-se verdadeiros desafios para quem possui.

O jornalista e escritor Jorge Felix, especialista em Economia na Longevidade, teve a ideia de escrever o argumento em um evento da Abraz, em maio de 2013.Jorge viu que todos queriam contar suas histórias mas não havia muitos interessados em ouvir, principalmente da imprensa.  Depois de pronto o argumento ele apresentou a ideia para o cunhado, Albert Klinke, da produtora Malabar, que se entusiasmou e produziu o documentário, com patrocínio do Aché Laboratórios e o apoio da Secretaria da Cultura do Governo do Estado de São Paulo (ProAC).

Jorge Felix (foto) deu uma entrevista exclusiva para o Ideac:

Como surgiu a ideia?

Surgiu quando participei de um evento promovido pela Abraz, na Câmara Municipal. Depois das palestras da Vera Caovila (fundadora da Abraz), do Dr Paulo Canineo (PUC-SP) e do ator Carlos Moreno, que passou a se envolver com a causa depois de a mãe dele apresentar a doença, o microfone foi liberado para a plateia. Estava lotado. Eu me surpreendi com as histórias de pessoas da periferia que cuidavam de seus pais, mães, avós, avôs e bisavós, sem a menor condição material. Os relatos revelavam como era fundamental o apoio do Estado, seja pelo SUS ou pelos Centro de Referência do Idoso. Eu sai de lá querendo contar aquelas histórias e escrevi o argumento. Entrevistei várias pessoas, inclusive dirigentes da Abraz à época. Eu também, por coincidência, vivia um caso na família, embora um pouco distante: o sogro do meu irmão. Um morador da periferia do Rio de Janeiro. Mas acompanhava a situação de alguma maneira. Tudo isso foi se somando. Depois conversei com meu cunhado, Albert Klinke, que é diretor de filmes publicitários e estava procurando um projeto de documentário e ele decidiu, então, produzir o filme pela produtora dele, a Malabar Filmes.

Como foi o trabalho?

Foi um trabalho da equipe da Malabar, que foi muito bom. Uma equipe jovem que não tinha envolvimento com o Alzheimer. Isso eu acho que foi o mais bacana. Todos muito jovens e o documentário os fez despertar para esse problema social, para a questão do envelhecimento, enfim para esses temas de minhas pesquisas. Eles foram atrás dos personagens, pelos CRIs, pelas Unidades Básicas de Saúde de vários bairros da periferia. Foi um trabalho longo, de muitos meses. Foram selecionadas muitas famílias e depois houve uma seleção final a partir do critério de condições para as gravações, pessoas que pudessem atender à equipe. A logística foi bastante complexa. A ideia do argumento era que cada família ou cada paciente vivesse um estágio da doença. Como se sabe, o Alzheimer tem vários estágios, bem diferentes.  Isso implicou em filmagens em diversas horas, de madrugada, à noite, etc, durante vários meses.

Quando entra em cartaz?

O filme ainda não tem definição precisa de entrar em circuito. Isso depende de distribuidores se interessarem e é difícil. Mas a Malabar Filmes está em negociação com a rede SPCine e, por ser um projeto de grande amplitude social, pelo menos no meu ponto de vista, teria justificativa como prioridade num circuito da prefeitura. Vamos esperar. Isso é muito importante para a produtora completar o orçamento do filme.

Você tem casos na família?

Só o caso do sogro do meu irmão. Acompanho o tema tangencialmente como pesquisador. E não sou um pesquisador do envelhecimento pelo olhar da saúde, não sou médico. No entanto, a economia, que é o meu ponto de vista, tem sido imensamente influenciada pelas questões do cuidado e será cada vez mais numa sociedade em processo acelerado de envelhecimento da população.

Quais os desafios da doença e como o filme pode ajudar?

No Brasil, há uma legislação até avançada no provimento de medicamentos para doenças crônicas. O Alzheimer, no entanto, precisa ser diagnosticado muito cedo porque aí sim pode ser usado um medicamento e outros tratamentos que irão reduzir o ritmo de avanço da doença. Depois de um certo estágio, a medicação já não tem efeito. Aí entra, no meu modo de ver, a questão mais latente que é, como chamamos tecnicamente, o cuidado de longa duração. O Brasil vive uma crise silenciosa dos cuidados. Um blecaute de cuidados. O Alzheimer e outras doenças crônicas vão pressionar ainda mais essa crise, vão piorar essa crise que tem consequências econômicas. O Brasil deveria estar ampliando a sua rede de proteção ao idoso e está fazendo o oposto. A rede ainda existe claro, mas é cada vez mais pressionada por restrições do Orçamento da Saúde. O chamado “teto dos gastos” será terrível neste sentido. Quando a economia voltar a crescer lá para 2020 ou 2021, como imagino, isso será um gargalo. Muitas pessoas estão no trabalho de cuidados, que foi imensamente privatizado, e isso terá consequências no mercado de trabalho.

 Serviço

O filme Alzheimer na Periferia estará em cartaz em cinemas da cidade de São Paulo a partir de 04 de setembro de 2018 (ingressos para esse dia já esgotados). Fique atento à programação completa da exibição do documentário. Vale lembrar que filme brasileiro precisa de público nos primeiros dias para continuar existindo nos cinemas.

Local: Espaço Itaú de Cinema. Shopping Frei Caneca. R Frei Caneca, 589 São Paulo


Deixe um comentário >

A resposta para essa questão pode ser surpreendente. Em palestra no TED, a pesquisadora Julianne Holt-Sunstad, da Brigham Youg University, coordenou estudos sobre o estilo de vida de pessoas na meia idade. Ela observou aspectos como dieta, exercícios, status conjugal, frequência de visitas ao médico, hábitos como beber e fumar e outros. Os resultados foram registrados e ela e seus colegas na universidade esperaram sete anos para voltar aos entrevistados em condições de serem avaliados novamente. A pergunta então foi: o que mais reduz suas chances de morrer?

Em sua pesquisa, indo do preditor menos poderoso para o mais poderoso, vieram muitas surpresas. Se você, por exemplo, está acima do peso ou não gosta muito de exercício, não precisa se sentir tão culpado, porque esse dado ocupa apenas o terceiro lugar.

Vacina da gripe, quem diria, protege muito mais do que exercícios.  Entre os preditores mais importantes estão duas características ligadas à sua vida social. Primeiro, seus relacionamentos próximos, ligados às pessoas que você pode recorrer para um empréstimo se você precisar de repente de um dinheiro urgente, ou que chamarão o médico se você não estiver bem. Ou mesmo para levá-lo para um hospital ou, ainda, que vai se sentar ao seu lado quando você estiver tendo uma crise existencial ou em desespero.

Essas pessoas, esse provavelmente pequeno grupo de pessoas, se você os tiver (e tomara que tenha), são fortes preditores de quanto você irá viver.

Outro ponto inesperado na pesquisa é o chamado de integração social. Significa aquelas pessoas que você interage ao longo do seu dia. Com quem fala? Com o porteiro, com as pessoas no elevador, com vizinhos, com o dono da banca de jornal, com os funcionários do prédio? Podem ser laços fortes ou fracos, não apenas com aquelas pessoas próximas por relação familiar ou de amizade, mas também aquelas com quem mantém esse contato cotidiano. Você joga bridge, buraco, sinuca, pertence a algum clube de leitura. Sim, essas relações também são muito importantes para prolongar seu tempo de vida.

Os preditores, pela ordem de importância:

  1. Integração social
  2. Relacionamentos próximos
  3. Parar de fumar
  4. Parar de beber
  5. Vacina contra a gripe
  6. Exercício
  7. Sobrepeso
  8. Hipertensão
  9. Ar puro

Para saber mais, segue a íntegra em inglês:

https://www.ted.com/talks/susan_pinker_the_secret_to_living_longer_may_be_your_social_life/transcript?language=pt-br


Deixe um comentário >

Suely Tonarque tem 67 anos, é pedagoga, psicóloga e tem Mestrado em Gerontologia – Percurso da Moda e a Realidade Atual. O interesse pelo tema do envelhecimento começou no ano 2008. Veio daí o projeto de criar moda para velhos. Como há 30 anos atua no segmento da moda, resolveu abrir com a irmã a loja Dudabyduda, à Rua Delfina 101, Vila Madalena, São Paulo. Nessa entrevista especial para o Ideac ela fala sobre seu trabalho:

Qual é a estética da velhice?

Com o envelhecimento, vamos percebendo as mudanças físicas e emocionais, e a estética se modifica durante esse processo. Cada indivíduo é singular e assim também sua forma de expressar a estética na velhice. O visual se transforma através dos anos, as vestimentas não podem mais ser as mesmas do passado porque o corpo sofreu mudanças. Não existe uma estética modelo para a velhice, ela é individual e particular.

Qual é a diferença entre criar moda para mulheres para velhas?

Quem cria moda para velhos deve ter em conta as mudanças corporais: com maior sensibilidade da pele, o tecido deve ser confortável. Como as medidas aumentam, os moldes não são os convencionais.  Pela flacidez dos braços, as mangas se tornam mais cumpridas e discretas. Há uma tendência de optar por cores mais neutras.

A moda ajuda a trazer mais alegria na velhice?

A alegria de viver depende de cada pessoa. A moda pode trazer uma satisfação na escolha da vestimenta, demostrando uma das facetas do desejo de viver.

O que é fundamental para uma roupa adequada para a mulher velha?

É importante primeiramente que a mulher aceite o seu envelhecimento para que suas roupas sejam adequadas a seu corpo, esse é o primeiro passo.

Como achar o estilo na velhice?

Existem dois estilos, o estilo que acompanha a vida da pessoa e o estilo de cada fase da vida. Também a moda determina algum estilo que o velho pode ou não se se identificar.