IDEAC Instituto para o Desenvolvimento Educacional, Artístico e Científico


Deixe um comentário >

Por Maria Celia de Abreu (coordenadora do ideac)

Gostamos de dizer que festas promovidas pelo Ideac são boas para velhos. Foi assim, por exemplo, com o Convescote no Guarujá (junho / 2017), com o Carnaval à Moda Antiga (fevereiro / 2018) e recentemente com a Festa Caipira (junho / 2018).  Muitos nos questionam: o que quer dizer isso?

Isso quer dizer que o foco principal de todo o planejamento da festa é satisfazer o velho, respeitando suas características físicas e emocionais. Adultos jovens, adolescentes e crianças são muito benvindos, mas não são os convidados que mais queremos agradar.

As condições ambientais são pensadas para serem apropriadas e agradáveis para velhos: há assentos disponíveis, há espaço suficiente para não se gerarem filas e aglomerações, as toaletes são alcançados sem escadas, o som ambiente fica num volume audível, mas que permite conversas em tom normal, o horário é vespertino.

Além disso, as músicas são cuidadosamente selecionadas, procurando remeter à memória afetiva do velho; as danças propostas envolvem movimentos simples, pouca habilidade e nenhuma exigência de que se forme um par homem-mulher.  Em brincadeiras coletivas, os envolvidos não se sentem testados, nem são forçados a se exibir a contragosto; se há prendas e presentes, estes são pensados para agradar a pessoas mais velhas, e a homens e mulheres igualmente.

As comidas oferecidas, de qualidade, como se espera, também recebem atenção especial; por exemplo são fáceis de serem consumidas, e frituras não existem.

Cores, aconchego, alegria, liberdade, aceitação de limitações, referências a épocas passadas, estímulos a memórias afetivas, descompromisso com imagem projetada são elementos que estão sempre presentes em altas doses.

Essa tem sido nossa receita. Agora foi revelada. Que surjam então muitas festas e que velhos sejam figuras centrais nelas!

Receita de sucesso

Se depender das mensagens recebidas por vários meios, a Festa Junina foi um sucesso. Ao Ideac e à Comissão Organizadora (Valeska Nakad, Cleide Martins, Ivani Cardoso, Sônia Fuentes e Maria Celia de Abreu) foram enviadas muitas mensagens por whatsapp, e umas poucas por e-mail, dando-nos feedback sobre essa nossa comemoração que honra as raízes do folclore brasileiro.  Foi a primeira vez que o Ideac se aventurou a oferecer uma Festa Junina, sempre fiel à diretriz de atender primordialmente ao idoso, e essas mensagens nos asseguram que valeu a pena!

Compartilhamos com vocês algumas delas:

Mensagens fazendo comentários genéricos:

– A festa foi muito boa!

– Deliciosa festa caipira

– Que delícia de festa junina!

– Foi muito legal!!

– Que bela festança!

– Diverti bastante!

– Fiquei feliz em ter participado da Festa Junina do Ideac.

– Estava muito gostoso! Adorei!

– Adoramos a festa junina! Muito aconchegante e linda. O pessoal estava alegre e dançante.

– Tá tudo um primor e no maior capricho! Parabéns ela organização da festança!

– Linda festa. Parabéns turma trabalhadeira. Adoramos!

– Fizemos valer aquele momento da Festa Junina, com certeza!

 

Houve agradecimentos:

– Obrigada!!! Adorei a festa.

– Agradeço mais esta oportunidade de viver lindos momentos!

– Agradecemos pelo convite e acolhida. Foi muito agradável.

– Minha mãe, minha irmã e eu… agradecemos pela atenção, carinho, acolhida…

 

Alguns comentários destacaram aspectos específicos:

– A Festa Junina do Ideac estava o máximo, caprichada na decoração, doces divinos, animadíssima! Amei!!!

– Privilégio meu estar em companhia de pessoas tão incríveis! Mega feliz com o resultado! Fiquei emocionada com a quadrilha e com a alegria das crianças nas brincadeiras – foi lindo! Parabéns a todas.

– Adorei! Turma como sempre muito animada e divertida. Fora as prendas! Putzgrila!!! As meninas fizeram a festa e voltamos com a sacola cheia! Não eram prendas, eram presentes! Parecia aniversário.

– Adorei as pessoas, adorei o lugar e principalmente a música cantada maravilhosamente juntamente com conjunto.

– O local escolhido é encantador e a organização foi excelente nos enfeites, jogos, músicos e na quadrilha – não dançava em uma desde a infância!

– A quadrilha foi muito legal!

– A Lucy grávida estava demais.

– Parabéns aos dançarinos!!!

– Jader e Deca arrasaram na dança.

– Casal animado, hein?

– Arrasaram!!!

– O grupo é muito simpático e gostei bastante das pessoas com quem conversei. Foi uma tarde agradabilíssima.

 

Também recebemos protesto e sugestão:

– Estava ótima, adorei, pena que terminou cedo…

– Quero mais festa junina!

Anúncios


Deixe um comentário

O Arraial do Ideac vem aí!

Depois do Carnaval à moda antiga do Ideac, que foi um sucesso, agora teremos nossa Festa Junina em parceria com a Faculdade Belas Artes, dia 23 de junho, das 14 às 20 horas, na Vila Mariana. Vai ter quadrilha, doces típicos, quentão, barraquinhas de jogos, comidinhas especiais e muita diversão garantida para avós, filhos, netos e pessoas de qualquer idade que gostem de um ambiente descontraído e do clima das festas juninas.

 


Deixe um comentário >

Dizem que o bom da festa é esperar por ela. No caso do Carnaval à antiga do Ideac, dia 4 de fevereiro, das 14 às 18 horas, em uma chácara aconchegante na Granja Viana, a grande diversão também é pensar na fantasia. Você pode procurar no baú, emprestar, alugar ou improvisar com muita criatividade. Que tal fazer um cigano ou uma cigana? Para eles, uma calça preta, um colete, um lenço na cabeça e já está feito o visual. Para elas, uma saia bem rodada, blusa de babados, colares, pulseiras, argolas e flores na cabeça.

E por aí vai, tem muitas opções para pensar e dá tempo de se preparar. Tem marinheiro, pirata, espanhola, bailarina, personagens de filmes (um vestidinho preto, coque e colar de pérolas e está pronta a Bonequinha de luxo), personagens marcantes de novelas da TV, vale tudo para se divertir. E olha que vai ter até concurso para a fantasia mais criativa. A produção da festa fica por conta do ator, professor e diretor Jorge Julião.

Convite: R$ 110,00 com direito a música, batidinhas, comidinhas, cerveja, água e sucos.

Inscrições pelo e-mail cadastro@ideac.com.br ou pelos telefones (11) 3885-0091 e (11) 99946-3554.


Deixe um comentário >

fig_2

O ator, diretor e professor de Teatro e Dança Jorge Julião (foto abaixo) comanda a Oficina de Dança e Ritmos do Ideac que começa dia 20 de março. Dançar traz alegria e diversão, além de fazer com que cada no, no seu tempo, descubra como soltar o corpo. A proposta é ensinar vários ritmos com práticas de alongamento, relaxamentos para estimular a circulação, passos de dança e atividades para treinar a bilateralidade, a memorização e o autoconhecimento. Não é necessário ter conhecimento prévio. Jorge diz que o importante é soltar o corpo, sentir o ritmo da música e se deixar levar. “Dançar faz bem para a alma”, ele diz.

13669139_1104285662950362_1877340319591343144_n

A dança trabalha a respiração, melhora a postura corporal, deixa a pessoa mais leve e mais bonita. Cada aluno vai entrando no ritmo do seu jeito e a seu tempo e o essencial é prestar atenção no corpo. Com a repetição o corpo se alonga, o peitoral abre, o abdome se contrai e os movimentos ficam mais soltos. A partir daí cada um pode dançar sozinho em casa e achar o seu ritmo. “A dança é mágica que faz bem para a alma e traz mais alegria para o nosso cotidiano”, Jorge completa.

Jorge Julião interpretou vários personagens no teatro e no cinema sua atuação foi muito elogiada no filme “Pixote, a lei do mais fraco” (clique no link abaixo), de Hector Babenco. Também ministra aulas para vários grupos da maturidade e jovens em vários pontos de São Paulo, como o “Feliz Idade”, no Shopping Eldorado, e Teatro Commune, na Consolação.

“Pixote, a lei do mais fraco”

Oficina de Dança e Ritmos – Profº Jorge Julião
De 20/03 a 26/06
Local: Hotel Intercity Interative Jardins
Rua José Maria Lisboa, 555 – Jardim Paulista, em São Paulo.
8 encontros quinzenais
Segundas feiras de 17h30 às 19:00

Investimento
04 parcelas de R$ 94,50 – total R$ 378,00 (participantes do Ideac)
04 parcelas de R$ 105,00 – total R$ 420,00 (público geral)
Aula avulsa R$ 50,00

Contato
Inscrições pelo e-mail cadastro@ideac.com.br ou pelos telefones (11) 3885-0091e (11) 99946-3554.

Acompanhe nossas redes sociais:

Site http://www.ideac.com.br/

Blog https://ideacblog.wordpress.com/2014/08/05/o-ideac-espera-por-voce/

Facebook https://www.facebook.com/ideac.ideac

Twitter @ideacnovo


Deixe um comentário >

singin-in-the-rain-di

Já pensou em fazer aula de dança? Jorge Julião, professor de Dança do Ideac, explica que para dançar não há contraindicação e que qualquer pessoa pode aprender: “Cada pessoa tem seu ritmo e o importante é deixar o ritmo entrar e se sentir fazendo parte do movimento. Claro que uns têm mais facilidade do que outros, mas a dança é a arte da repetição e com os exercícios os passos vão fazendo sentido”.

Muitas pessoas têm muita vontade de entrar em uma aula de dança mas ficam com medo de não conseguir acompanhar. “Dançar melhor ou pior, aprender todo os passos e ter coordenação perfeita  não deve ser a preocupação”, alerta Jorge. Para ele o essencial são os benefícios que a prática traz: “A dança trabalha a respiração, melhora a postura corporal, deixa a pessoa mais leve e mais bonita. Cada aluno vai entrando no ritmo do seu jeito e a seu tempo e o essencial é prestar atenção no corpo. Com a repetição o corpo se alonga, o peitoral abre, o abdome se contrai e os movimentos ficam mais soltos. A partir daí cada um pode dançar sozinho em casa e achar o seu ritmo. A dança é mágica que faz bem para a alma e traz mais alegria par ao cotidiano”.

Jorge Julião é ator e diretor teatro e ministra aulas de Teatro e  Dança para a maturidade. Em 2017 as aulas de Dança vão começar a partir de março. Acompanhe nossas redes sociais:

www.ideac.com.br

http://www.ideac.com.br/blog.html

https://www.facebook.com/social.ideac/


2 Comentários >

foto

“Há alguns anos uma amiga me convidou uma tarde para ir dançar em um Baile, segundo ela, de terceira idade. Bom para mim que na época me encontrava com 66 anos. Era feriado de 15 de novembro, o Salão era em um Clube do Ipiranga, grande, bem cuidado, com uma banda tocando ao vivo. Claro, dança de salão. A primeira impressão que tive foi boa, restava saber se algum cavalheiro me convidaria para dançar… A música era sugestiva e minha amiga logo saiu para dançar e eu nada. Não era conhecida.

Lá pelas tantas, dancei com um senhor que não era dos melhores dançarinos, mas para começar estava bom, fiquei feliz em poder arrastar os pés. Tem isso, o começo é difícil, tem que ter paciência e perseverança. Assim, fui a cada nova oportunidade frequentando os Bailes de Terceira Idade, a princípio não foram muitos.

Assim fui tomando gosto, até que criei coragem e resolvi ir sozinha em um clube mais perto de casa, em um horário mais conveniente. Cheguei meio sem jeito, puxei conversa com uma senhora que estava na fila da compra de mesa e juntei-me a ela. Para começar estava ótimo! Aos pouco fui me enturmando e sendo convidada com mais frequência para dançar e melhorando minha performance.

Ganhei mais desenvoltura no dançar. Imaginem! Eu, uma senhora distinta e respeitável, professora aposentada, botando pra quebrar! Olha a novidade! Hoje, com 74 anos de idade, continuo adorando dançar e vou sempre que posso.

Gosto de dançar e sinto-me feliz, o meu astral melhorou, a autoestima ficou fortalecida à medida em que que eu me sinto aceita. A paquera e o flerte rolam soltos, mas o que eu queria mesmo (e continuo querendo) é dançar. Acredito que este foi um ponto que me ajudou. Não fui dançar com o objetivo de arrumar namorado. O charme faz parte do dançar. Isso é um ganho.

foto

Aos poucos, comecei a me preocupar em escolher melhor as roupas. Passei a usar mais o vestido com saia rodada, melhor para a dança, e sapatos confortáveis, mas que sejam bem presos ao pé. Acredito que estas preocupações na idade em que me encontro só trouxeram benefícios.

Com a dança fui trabalhando no meu interior as novidades, a flexibilidade, etc. A aceitação, então nem se fala. Cada cavalheiro dança de um jeito e a você cabe acompanhar. Haja flexibilidade, no corpo e na mente. Com isto, minha sensibilidade e atenção ficaram mais aguçadas em perceber a intenção de movimentos do par. Na Dança de Salão é necessário o homem conduzir a dama e, diga-se de passagem, ajuda muito respeitar esta regra; você aprende a soltar o corpo e se cansa menos. Os admiradores vão aparecendo e tentando se aproximar, cabe a nós, avaliar a intenção de cada um e qual o nosso interesse. Cuidado é bom e nunca é demais. Após estes anos sinto que meu corpo, ganhou mais leveza e ficou melhor delineado. As dores, tão comuns diminuíram ou mesmo cessaram. Controlo com maior facilidade o meu peso. A médica geriatra e a fisioterapeuta que me acompanham são minhas incentivadoras. Enfim, recomendo para quem gosta de música e quer trabalhar o corpo, sem ser com malhação; a dança é uma boa ideia. Acredite. Vale a pena começar. Quem se habilita a começar e a contar depois?”

Lucy Araújo é pedagoga pelas Faculdades Metropolitanas Unidas, com especialização em Orientação Educacional e Orientação Pedagógica. Fundadora da Oficina de Arte Adelaide Araújo, da Associação Brasil Parkinson, onde presta trabalhos voluntários.


Deixe um comentário >

ideac_topo

Não se preocupe se você acha que não tem muito jeito para a dança. Nesta oficina, coordenada pelo ator e professor de dança Jorge Julião, o que importa é você seguir o ritmo da música em seu corpo. E a sensação é ótima. Dançar traz alegria e diversão, além de fazer com que cada no, no seu tempo, descubra como soltar o corpo. A próxima oficina será dia 20 de agosto, quinta, das 15 às 16h30, no Espaço Pamplona, à Rua Pamplona. Venha, estamos esperando por você!

O professor Jorge Julião explica que para dançar não há contraindicação e que qualquer pessoa pode aprender: “Durante a oficina não há uma preocupação em dançar melhor ou pior, aprender todo os passos e ter coordenação perfeita. Cada pessoa tem seu ritmo e o importante é deixar o ritmo entrar e se sentir fazendo parte do movimento. Claro que uns têm mais facilidade do que outros, mas a dança é a arte da repetição e com os exercícios os passos vão fazendo sentido. A dança trabalha a respiração, melhora a postura corporal, deixa a pessoa mais leve e mais bonita. Cada aluno vai entrando no ritmo do seu jeito e a seu tempo e o essencial é prestar atenção no corpo. Com a repetição o corpo se alonga, o peitoral abre, o abdome se contrai e os movimentos ficam mais soltos. A partir daí cada um pode dançar sozinho em casa e achar o seu ritmo. A dança é mágica que faz bem para a alma e traz mais alegria par ao cotidiano”.

ideac_jorge

Jorge Julião é ator e diretor teatral. Também ministra aulas para oito grupos da maturidade e jovens em vários pontos de São Paulo: AFPESP Associação dos Funcionários Público, Centro do Professorado Paulista,  “Feliz Idade”, no Shopping Eldorado, e Reatro Commune, Turma SINDEP.

Oficinas de Dança
Quintas-feiras, das 15 às 16h30
20/08, 24/09 , 22/10 e 19/11
Rua Pamplona, 1227, quase esquina com José Maria Lisboa
R$ 150,00 por oficina e pacote para os quatro eventos: R$ 540,00 (com 10% de desconto para quem já participou de atividades do IDEAC ou é associado do CRECI-SP ou CREF4-SP)

Os interessados podem fazer sua reserva pelo e-mail ideac@uol.com.br ou telefone (11) 3885-0091.

Saiba mais sobre o IDEAC pelo site www.ideac.com.br