IDEAC Instituto para o Desenvolvimento Educacional, Artístico e Científico


Deixe um comentário >

Envelhecimento da população desenha uma nova geopolítica e explica os conflitos atuais no planeta. Nesta obra, da 106 Editora, o autor revela a dinâmica demográfica, inédita na história do capitalismo, que está construindo uma nova geopolítica. O envelhecimento populacional está ligado a eventos como a guerra comercial entre Estados Unidos e China, os conflitos nas ruas do Chile, a desigualdade social crescente em quase todo o planeta, o fluxo migratório global, a desindustrialização brasileira, as mudanças climáticas e a chamada 4ª revolução industrial.

Segundo o autor, o que está em discussão não é o fato de o Brasil envelhecer antes de ficar rico, como sempre é exaustivamente repetido no debate público, mas sim, em qual economia os países ricos envelheceram e em qual economia os países pobres estão envelhecendo. A concorrência global se transforma, para Félix, em uma “corrida populacional”, assim como o mundo assistiu, no passado, as corridas do ouro ou a armamentista. Agora, pela primeira vez na história, está em disputa “quem vai pagar pelo envelhecimento de quem” e a economia e a política sofrem esses efeitos perenes da demografia. De acordo com Félix, a corrida populacional é uma das ameaças contemporâneas para a democracia.

Doutor em Ciências Sociais, professor de Economia no curso de Gerontologia da Universidade de São Paulo (Escola de Artes, Ciências e Humanidades), e comentarista de longevidade no Bem-Estar, na Rede Globo, Félix é um dos palestrantes mais atuantes na área do envelhecimento e sempre presente nas discussões sobre o tema na mídia nacional. Uma de suas principais críticas é ao modelo de privatização da previdência do Chile, sobre o qual tem muitos artigos publicados e conferiu palestras em eventos sempre alertando para o que hoje está sendo verificado: o risco de convulsão social naquele país. “O Chile foi um fracasso anunciado. Muitos no mundo acreditaram que o caminho escolhido por Pinochet levaria o país à vitória na corrida populacional, mas agora deve ficar bem atrás e perder espaço na geopolítica do envelhecimento”, diz o autor. O caso do Chile também é abordado no livro.

Ficha técnica: Economia da Longevidade – o envelhecimento populacional muito além da previdência
Editora: 106 Editora – Ideias
Autor: Jorge Félix
Gênero: Ensaio
Preço: R$ 39,90
ISBN: 9786580905034
Edição: 1ª edição, 2019
Idioma: Português
Peso: 0,232
Número de páginas: 190


Deixe um comentário >

Nesta segunda é celebrado o Dia Internacional de Combate à Violência contra a mulher, data instituída pela ONU em 1999. A data foi escolhida para homenagear as irmãs Pátria, Maria Teresa e Minerva Maribal que foram torturadas e assassinadas nesta mesma data, em 1960, a mando do ditador da República Dominicana, Rafael Trujillo. As irmãs dominicanas eram conhecidas por “Las Mariposas” e lutavam por soluções para problemas sociais. Em Brasília, a data será lembrada no Senado e a Esplanada dos Ministérios vai recebe cruzes em homenagem àquelas que morreram em casos de feminicídio.

Os números de violência contra a mulher têm crescido e as mulheres mais velhas, um grupo populacional em expansão no Brasil, também sofrem agressões físicas e psicológicas, embora as pautas estejam focadas geralmente nas mulheres jovens. A mulher velha é mais discriminada do que o homem no mercado de trabalho e os números mostram que na faixa etária de 60+ há um grande número de mulheres que sustentam a casa.

Nos dados gerais, de acordo com a Agência Brasil, o Disque 100 registrou um aumento de 13% no número de denúncias sobre violência contra idosos, em relação ao ano anterior. O serviço de atendimento recebeu 37.454 notificações, sendo que a maioria das agressões foi cometida nas residências das vítimas (85,6%), por filhos (52,9%) e netos (7,8%)

A psicóloga Maria Celia de Abreu, coordenadora do Ideac e autora do livro “Velhice, uma nova paisagem” (Ed. Summus), afirma que o velho em geral, e não só as mulheres velhas, não precisam ser uma vítima passiva. Ao contrário, pode tomar para si a tarefa de educar os seus próximos. Com firmeza, paciência e tenacidade, e não com gritos, agressividade, irritação, ironia ou maldades, como cabe a um educador. “Com atitudes corretas o velho vai acabar conseguindo bons resultados. Cada pessoa decide o que o incomoda, o que ele considera falta de respeito, e isso pode ser modificado em situações em que a expressão do respeito pode ser melhorada, e o idoso deve aproveitá-las”.

Ao expor seu modo de pensar, dizer o que o incomoda, explicar como o outro pode fazer e expressar com clareza como se sente, o velho vai ensinando aos seus próximos como podem ser carinhosos e atenciosos sem deixar de serem respeitosos. Como todo educador, o velho também vai ter que se repetir, sem desistir nem perder a paciência, pois às vezes as pessoas demoram a aprender, e podem ter retrocessos. “Quem não se considera um cidadão de segunda categoria adota a postura saudável de batalhar para se fazer respeitar, ao invés de cair na armadilha, sem objetivo, de ser passivo, engolir o sapo ou exercer pequenas vinganças.”


Deixe um comentário >

“Quem olha para fora sonha, quem olha para dentro desperta”
Carl Jung

Você sabia que as mandalas encontradas na natureza (flores, por exemplo) ou feitas por nós são projetadas para nos libertar das preocupações e favorecem a concentração no momento presente? Mandalas são poderosas ferramentas de relaxamento que nos conectam e harmonizam com o universo, através das formas e cores, trazendo mais equilíbrio para as nossas vidas.
Segundo o dicionário Junguiano (Editora Vozes), o termo é masculino, embora no popular apareça sempre como feminino. Em sânscrito, significa o círculo, um um espaço que delimita o sagrado e o profano por meio de figuras, sejam desenho, pinturas, modelo, flores, são rituais que expressam a totalidade do ser. Mandalas estão presentes no budismo tibetano, nos mosteiros, nos contos de fadas e na alquimia. Jung usou primeiramente para tratar pacientes com esquizofrenia, pois as figuras desenhadas pelos pacientes expressam partes inatingíveis do inconsciente. Nise da Silveira , no Brasil é a grande especialista no assunto, tratando pacientes com distúrbios mentais. Depois deles, a prática se estendeu para os consultórios como importante instrumento para autoconhecimento e individuação. Para Jung, elas oferecem toda uma gama de simbologias que estão ligadas diretamente com os processos da fantasia, dos desejos, das motivações do inconsciente do indivíduo que a representa.


Você já pensou que pode fazer uma mandala para sua casa? Com flores, com tecidos, com papel ou outros materiais, como um exercício para acalmar a mente e eliminar o estresse. Entre os benefícios da técnica estão proporcionar equilíbrio, serenidade, mais concentração e atenção plena, além de deixar a criatividade fluir. Vamos experimentar?


(Fotos Maria Celia de Abreu, coordenadora do Ideac)


Deixe um comentário >

Você pode imaginar quantas vezes a atriz Eva Wilma teve que reinventar-se na vida pessoal e profissional. Conseguindo equilibrar a carreira de sucesso com a vida familiar, Eva é a convidada da quarta edição do Projeto Reinventar-se… sempre!, promoção do Ideac, marcada para o dia 28 de outubro, a partir das 18h30, no Mercure Hotel,  à Rua Pamplona, em São Paulo. Quem vai conduzir a mediação é o autor, ator e diretor Odilon Wagner. O encontro está aberto a todos os interessados, com a entrada a R$ 30,00.

É uma ótima oportunidade para conhecer a trajetória dessa atriz tão querida, saber o que ela pense e sente diante da vida, da sociedade, da profissão e das escolhas realizadas, como explica a psicóloga Maria Celia de Abreu, coordenadora do Ideac e idealizadora desses eventos: “Com muita frequência, a vida nos traz surpresas. Planejamos uma coisa e ela não acontece, e somos obrigados a inventar. Tem pessoas que preferem não planejar nada e vão se adaptando aos fatos, à medida em que eles acontecem. É claro que elas também têm que inventar. É muito bom saber como as pessoas mais velhas, que são ativas e produtivas, levaram suas vidas. Saber como enfrentaram as surpresas que foram aparecendo, como buscaram a coragem, a criatividade e a melhor forma para lidar com os erros e os medos. Tudo pode ser inspirador para lidarmos com as surpresas das nossas próprias vidas”.

Para Maria Celia, modelos provocam reflexões e sugerem soluções, nos entusiasmam: “Isso tem acontecido nesse projeto do Ideac, nos encontros anteriores. Nessa conversa com Odilon Wagner, Eva Wilma tem muito para contar para nós. Estamos esperando vocês”.

A proposta desse projeto é conhecer e compreender o envelhecimento para melhorar a qualidade de vida dos que estão acima dos 60 anos. Nos encontros, os entrevistados falam sobre sua experiência de vida, revelam como estão lidando com a passagem do tempo e os planos para continuar buscando novas oportunidades e sonhos. Já participaram Sílvio de Abreu, Diretor Geral de Dramaturgia da Rede Globo, a dramaturga Maria Adelaide Amaral e a atriz Irene Ravache.

 

Reinventar-se… sempre!

Entrevistada: Eva Wilma

Data: 28 de outubro de 2019 – segunda-feira

Horário: das 18h30 às 20h.

Local: Mercure Hotel – Rua Pamplona, 1315 – Jardim Paulista, SP

(há estacionamento no local)

Investimento: R$ 30,00

Vagas limitadas. Reserve a sua vaga fazendo um depósito para a conta abaixo e mandando confirmação por e-mail (cadastro@ideac.com.br) ou por whatsapp (11 – 99946-3554):

Banco Itau  –   Agência 0161  –  Conta corrente 25773-8  –  CNPJ 57.653.263/0001-17


Deixe um comentário >

A quarta edição do Projeto Reinventar-se… sempre!, realizado pelo Ideac, está marcada para o dia 28 de outubro, a partir das 18h30, no Mercure Hotel,  à Rua Pamplona, em São Paulo, com a participação da querida atriz Eva Wilma. A entrevista será conduzida pelo autor, ator e diretor Odilon Wagner.

A proposta é conhecer e compreender o envelhecimento para melhorar a qualidade de vida dos que estão acima dos 60 anos. Nos encontros, os entrevistados falam sobre sua experiência de vida, revelam como estão lidando com a passagem do tempo e os planos para continuar buscando novas oportunidades e sonhos. Já participaram Sílvio de Abreu, Diretor Geral de Dramaturgia da Rede Globo, a dramaturga Maria Adelaide Amaral e a atriz Irene Ravache.

Sobre Eva Wilma

A atriz brilhou no teatro, no cinema e na TV.  Durante a sua trajetória, na TV esteve no elenco de trabalhos como “Alô Doçura”, “Meu Pé de Laranja Lima”, “Plumas e Paetês”, “Sassaricando”, “Pedra Sobre Pedra”, “O Rei do Gado”, “Verdades Secretas”, entre outros. Inesquecível, ainda, sua interpretação das gêmeas de “Mulheres de Areia”, de 1973, primeira versão, exibida pela TV Tupi. Seu trabalho também foi muito elogiado como a Dra. Martha, do seriado “Mulher”, exibido pela Globo de 1998 a 1999. Recentemente, a atriz que havia dado vida à socialite arruinada e alcoólatra Fábia, em “Verdades Secretas”, foi escalada para interpretar Petra Vaisánen, uma cientista dividida entre a ética e a ambição, em “O Tempo Não Para”. No teatro, seus últimos trabalhos foram “O que terá acontecido a Baby Jane”,  com Nicette Bruno e Quarta-Feira, sem Falta, Lá em Casa”, ao lado de Suely Franco. No cinema, entre outros, “São Paulo Sociedade Anônima”, “Fina Estampa” e “A Ilha”.

Reinventar-se… sempre!

Entrevistada: Eva Wilma

Data:  28 de outubro de 2019 -segunda-feira,

Horário: das 18h30 às 20h

Local: Mercure Hotel – Rua Pamplona, 1315 – Jardim Paulista, SP

(há estacionamento no local)

Investimento: R$ 30,00

Vagas limitadas. Reserve a sua vaga fazendo um depósito para a conta abaixo e mandando confirmação por e-mail cadastro@ideac.com.br ou por whatsapp (11) 99946-3554

Banco Itau / Agência 0161 / Conta corrente 25773-8 / CNPJ 57.653.263/0001-17

 

 

 

 


Deixe um comentário >

Quer tal turbinar seu cérebro e melhorar a memória? Nosso cérebro precisa de exercício para funcionar bem e evitar a perda de neurônios que chega com a idade. Na Oficina de memória, criatividade e cognição, conduzida pela experiente psicóloga dra. Sônia Fuentes, você aprende a fundamentação teórica básica sobre os mecanismos do cérebro e várias práticas para o aprimoramento da memória, da criatividade e da cognição.

São 08 encontros, às terças-feiras, das 14 às 16h, iniciando dia 24  de setembro.

Local: Rua Pamplona, 1326 – Jardim Paulista, São Paulo, SP

Valor total: R$ 480,00 (em até 3 parcelas de R$160,00)

Participantes do Ideac tem 10% de desconto:  R$ 432,00 (em até 3 parcelas de R$144,00)

Sônia Fuentes é Pós-Doutorada em Gerontologia Social, Doutora em Psicologia Clínica e Mestre em Gerontologia Social pela PUC-SP. Especialista em Geriatria e Gerontologia pela Unifesp, em Psicossomática pela ABMP e em Cinesiologia pelo Sedes Sapientiae.

Mais informações sobre o Ideac e nossas atividades veja em:

Site:  http://www.ideac.com.br/

Blog: https://ideacblog.wordpress.com

https://www.facebook.com/ideacnovo/

Twitter:  @ideacnovo

Canal do Youtube – O novo da velhice:

A reserva de vaga deve ser feita através do pagamento da primeira parcela, através de depósito bancário:

Banco Itaú – 341 – Ag.: 0161 – c/c: 25.773-8

CNPJ: 57.653.263/0001-17

Favor enviar o comprovante pelo e-mail cadastro@ideac.com.br ou para Cleide, através de whatsapp (11) 99946-3554.  


1 comentário

Prevenção ao suicídio, tema ligado ao envelhecer

Nesse Setembro Amarelo, mês dedicado à Prevenção ao Suicídio, é importante abrir espaço para o tema. Os números revelam que estão crescendo os casos de suicídio entre idosos no Brasil e entre 1980 e 2012, o aumento foi de 215,7%. Para especialistas, acúmulo de perdas e isolamento social estão entre as motivações para o ato extremo

 Segundo o Ministério da Saúde, a média no Brasil foi de 8,9 suicídios por 100 mil entre idosos com mais de 70 anos entre 2011 e 2016. Em 2017, o Ministério da Saúde lançou o primeiro boletim epidemiológico sobre o suicídio no Brasil, que apontou um aumento na taxa geral – de 5,3 por cem mil indivíduos em 2011 para 5, 7 em 2015 e estabeleceu como meta reduzir em 10% a mortalidade por suicídio até 2020. 

De acordo com a organização, uma pessoa se suicida a cada 40 segundos, no mundo. Número que, conforme destaca o relatório, não representa fielmente a realidade, já que, para cada morte devidamente registrada, há muitas outras tentativas e óbitos que não chegam a ser contabilizados como suicídios.

Esse tema faz parte do livro “Velhice, uma nova paisagem” (Ed. Ágora), da psicóloga Maria Celia de Abreu, coordenadora do ideac. Segundo ela, pensamentos sobre morte – a própria ou a dos outros – quase sempre acompanham os estados depressivos: “Na depressão leve, também conhecida como distimia, a ideia de morte aparece como algo a ser temido e evitado, algo não desejado. Em depressões profundas, pode se transformar num querer morrer, havendo risco efetivo de suicídio. A pessoa com uma depressão profunda não se importa com mais nada, não vê razões para permanecer vivendo. Talvez isso esteja relacionado à morte de parentes e amigos, mas há outros fatores causadores, sociais e emocionais”.

Por vezes, não se consegue identificar nenhum fator externo que justifique a instalação de uma depressão ou a ocorrência de um suicídio. É importante saber dessa tendência. De um lado, a própria pessoa em depressão pode evitar ocasiões e meios que favoreçam o suicídio; de outro, os que convivem com ela tomam cuidados específicos para evitá-lo – não deixando a pessoa só, afastando objetos perigosos, protegendo janelas, por exemplo. 

Os familiares e os médicos de pacientes idosos devem estar atentos aos sintais. Para diagnosticar a depressão maior, Maria Celia revela que os profissionais, além do exame clínico, utilizam um roteiro que indica que, ao menos por duas semanas consecutivas, pelo menos cinco desses sintomas tenham se instalado: 

Humor rebaixado (sentir-se triste, vazio ou chorão). 

Perda marcante do prazer ou do interesse em atividades de rotina

Mudança no padrão de apetite (comer muito pouco ou de forma excessiva).

Distúrbios do sono (insônia ou excesso de sono). 

Agitação motora ou grande diminuição na movimentação normal. 

Falta de energia/fadiga durante todo o dia. 

Sentimentos de inutilidade, culpa e baixa autoestima. 

Diminuição na capacidade de se concentrar, raciocinar ou decidir. 

Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio.